Lipoaspiração

A lipoaspiração é um dos procedimentos cirúrgicos mais solicitados na atualidade. A cirurgia permitiu modelar o contorno corporal através de pequenas cicatrizes. O objetivo deste procedimento é retirar quantidades significativas de adipócitos (células gordurosas) do organismo.

Está indicado para pacientes que permaneceram com gordura localizada, mesmo com práticas esportivas e dietéticas. O procedimento lida com acúmulos de gorduras, porém, não resolve os problemas decorrentes de excesso de pele. A textura da superfície cutânea influencia no resultado estético da cirurgia. Pacientes com peles flácidas não são bons candidatos à lipoaspiração isolada, nestes casos deve-se associar a lipoaspiração com outros procedimentos que visam à retirada da flacidez e excesso do tegumento.

Quanto menor a flacidez de pele, melhores os resultados estéticos desta cirurgia. É importante salientar que a lipoaspiração não é tratamento para emagrecimento, e sim, para uma melhora do contorno corporal.

As técnicas de remoção da gordura corporal tem evoluído desde o advento da lipoaspiração. As principais técnicas desenvolvidas foram o uso da aspiração com cânulas, lipoaspiração seca, úmida, utilização de solução tumescente, ultra-som, laserlipólise.

A infiltração tumescente consiste na injeção de líquidos no tecido gorduroso, utilizando uma solução composta principalmente por soluções salinas associadas à substancias vasoconstritoras, para que maiores quantidades de gorduras possam ser removidas com mais segurança.

A lipoaspiração ultrassônica apesar de apresentar algumas vantagens em relação a técnica tradicional de sucção de gordura, não é isenta de efeitos indesejados.

Na laserlipólise, o raio laser é conduzido até o adipócito (célula gordurosa) através de uma fibra óptica contida no interior de uma micro cânula. O laser em contato com a gordura produz um efeito de foto-hipertemia, com transformação de energia luminosa em calor nos adipócitos. A delicada membrana das células gordurosas se rompe por ação fototérmica, liberando o conteúdo oleoso nelas contido. A solução oleosa que permanece nas áreas tratadas é drenada.

Os métodos de lipospiração que utilizam a técnica seca (sem infiltração prévia nos tecidos a serem lipoaspirados), aumentam a possibilidade de sangramento. A técnica tumescente, que conta com a infiltração de grandes quantidades das soluções já mencionadas, favorece a retirada de volumes maiores de gordura com menor sangramento.

É comum a presença de edema (inchaço) na área operada que pode permanecer por dias, semanas e menos frequentemente por meses. Manchas roxas na pele (equimoses) representam a resposta do tecido à manipulação cirúrgica, não constituindo sangramento pós-operatório.

Poderá ocorrer perda temporária da sensibilidade nos locais operados. A dor no pós operatório poderá ocorrer com maior ou menor grau de intensidade por um período indeterminado e variável de paciente para paciente.

A lipoaspiração é indicada no tratamento da lipodistrofia localizada e irregularidade do tecido gorduroso em pacientes hígidos, de preferência não fumantes e que estejam próximos do seu peso ideal. O volume máximo aspirado não deve exceder 5% do peso corporal.

Informações Adicionais

A anestesia depende dos locais a serem lipoaspirados. Pode ser local com sedação assistida (quando o volume de gordura a ser aspirado é pequeno), peridural ou geral. O período de internação varia entre hospital dia até 24 – 48 horas. A retirada dos pontos é feita entre 5 – 10 dias após a cirurgia.

A gordura retirada pode ser reutilizada (após ser tratada com métodos de lavagem, filtragem e centrifugação), infiltrando-se em regiões corporais que apresentam deformidades como depressão ou que necessitem de aumento do volume: lipoescultura.

É comum associar lipoaspiração à outras cirurgias tais como: abdominoplastia, mamoplastia, etc. A extensão da lipoaspiração será mandatória para definir as cirurgias que poderão ser associadas.

O resultado definitivo da cirurgia, como em outros procedimentos cirúrgicos, poderá ser avaliado em torno de 6 a 8 meses decorridos do período pós-operatório.

 

Cuidados pré-operatórios

Comunicar ao cirurgião, até dois dias antes da cirurgia casos de indisposição.

Internar-se no hospital indicado pelo cirurgião, obedecendo ao horário previamente marcado.

Evitar bebidas alcoólicas ou refeições volumosas na véspera da cirurgia.

Evitar todo medicamento para emagrecer que esteja sendo utilizado por um período mínimo de 10 dias antes da cirurgia.

Discutir com o profissional sobre o uso de outros medicamentos.

 

Cuidados pós-operatórios:

Evite esforços nos 20 primeiros dias.

Obedecer as instruções que lhe serão dadas por ocasião da alta hospitalar.

Evite molhar o curativo até que seja autorizado a fazê-lo.

Não se exponha ao sol ou friagem até que esteja liberado pelo médico. (Geralmente até o desaparecimento das “manchas roxas”).

Alimentação normal (salvo casos específicos).

Volte ao consultório para curativos subseqüentes e controle pós-operatório nos dias e horários estipulados.

Utilize as cintas compressivas ou modeladoras prescritas.

Atividades físicas após 30 dias.

Dirigir veículos somente após 10 a 15 dias da cirurgia.

Tire conosco suas dúvidas.

Veja também

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *